Família processa Facebook no caso da jovem espancada e morta após viralizar fakenews - Paraíba Feminina

Breaking

sexta-feira, 28 de fevereiro de 2020

Família processa Facebook no caso da jovem espancada e morta após viralizar fakenews



Em 5 de maio de 2014, a dona de casa Fabiane Maria de Jesus, de 33 anos, foi espancada e assassinada por um grupo de pessoas depois que sua imagem foi confundida com um "retrato falado" que circulou numa página do facebook, em Guarujá, São Paulo. Na publicação, diziam que aquela mulher do desenho sequestrava e utilizava crianças em rituais de "magia negra". O caso causou comoção no mundo inteiro.

Os suspeitos foram presos e condenados, mas a família de Fabiane entrou com um processo contra o Facebook, por danos morais. A família alegou que a empresa foi omissa ao manter a publicação do vídeo em que mostra a vítima sendo espancada além de lucrar com a veiculação. O Facebook também divulgou um desenho com o boato de que uma mulher, que seria parecida com Fabiane, sequestrava crianças e as utilizava em rituais de magia negra em Guarujá.

Nesta quinta-feira (27), o Tribunal de Justiça negou o pedido da família. A defesa do Facebook no Brasil não comentou a decisão.

Conforme relata o defensor da família, Airton José Sinto Júnior, a decisão de isentar a empresa é um absurdo e cria um precedente perigosíssimo. “A pessoa pode criar um perfil apócrifo, lançar o que quiser na rede, criar um tumulto na sociedade, como foi o caso, e o Facebook, que é quem veicula e permite que seja patrocinado, é absolutamente isento de qualquer responsabilidade. Essa decisão é terrível e perigosa”

A polícia identificou cinco suspeitos pelo espancamento e eles foram levados a julgamento. Em outubro de 2016, Lucas Rogério Fabrício Lopes, de 21 anos, foi condenado a 30 anos de cadeia por participação no crime. No dia 28 de janeiro de 2017, outros quatro foram condenados: Abel Vieira Batalha Júnior, de 21 anos, Carlos Alex Oliveira de Jesus, de 27, e Jair Batista dos Santos, de 38, receberam a pena de 40 anos de prisão em regime fechado; e Valmir Dias Barbosa, de 51, de 26 anos de detenção.

da redação com informações do G1


Nenhum comentário:

Postar um comentário